Um sonho

Não posso escrever sobre outra coisa. E não devia escrever nada hoje. Penso um instante no que sentirão os leitores: essa coisa que me emociono de maneira tão profunda, o sonho que ainda me dói no corpo e na alma; será para eles uma história vulgar; pior ainda precisarei escrever com muito cuidado, para que esse instante de infinita pureza que eu vivi não parece a outrem, apenas um pequeno trecho de literatura barata.
Na verdade não houve nem mesmo um beijo, ou, se houve, ele perdeu qualquer sentido, para ficar apenas dentro de mim essa impressão de doçura profunda e perfeita felicidade. Aquela mulher estava nua. E escrevendo 'mulher nua' no jornal, como soa a escândalo. Seria preciso escrever com uma grande delicadeza para fazer sentir como eu senti naquele momento beleza, pureza — alguma coisa tão limpa e tão suave, além de quer desejo, apenas o sentimento da vida mansa daquela pele de um dourado pálido.
Além dos nossos sentidos há um outro — mas não estou falando de as espirituais, eu estou falando em sentimentos vividos em um instante que não há diferença entre coisas materiais e espirituais. Se as linhas seu corpo ainda existiam, eram como uma vaga lembrança, um desenho imaterial suspenso no ar. O que me emocionava era a carne, como se eu vivesse a vida de seus tecidos, a sua doce vida perante o ar — leve como sussurro de ramos longe, como um ruflar de ave imponderável um murmúrio perdido na distância. E seu corpo era tão belo que senti um aperto na garganta, e os olhos húmidos.
Perdido! Eu lutava confusamente para não despertar de todo, pois sabia que então estaria perdido para sempre esse corpo feito de carne e sonho. Uma angústia se apossou de mim, a claridade da janela me feria os olhos, afundei a cabeça no leito para salvar essa visão de vinte anos antes.
E ainda o revi por um instante, como se estivesse sumindo em uma luz dourada, e na luz se perdendo, voltando a ser apenas luz.
Desperto. Penso um instante nessa mulher de quem há tantos anos não tenho notícia nem quase lembrança, essa que foi perfeita na dignidade na pureza de sua nudez — e que hoje ainda não sei em que cidade ou país, não sei ao lado de quem — nem sei mesmo se ainda vive. Sua pessoa, sua risada, sua amargura, e o som de sua voz, tudo se perdeu em mim. Mas por um instante viveu, no meu sonho, aquele esplendor suave de uma nudez, que eu guardara tão quietamente no fundo de minha emoção como se quisesse proteger de todo o lirismo e de toda a sensualidade momento melhor de minha vida.
Rubem Braga


Comentários

Hugo Nofx disse…
"Eu lutava confusamente para não despertar de todo, pois sabia que então estaria perdido para sempre esse corpo feito de carne e sonho. Uma angústia se apossou de mim, a claridade da janela me feria os olhos, afundei a cabeça no leito para salvar essa visão (...)".

bjs.

Mensagens populares deste blogue